Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A biscoiteira

por Maria Alfacinha, em 13.07.16

19769716_Dmm9W.png

 

Dezembro, 24. De camisola vermelha como a época exige, foi buscar a mãe para passarem a noite na casa da irmã mais velha. Ainda na escada sentiu o aroma a fritos e açúcar e canela que sempre perfumavam aqueles dias. Abriu a porta com cuidado, não fosse tropeçar nos sacos e saquinhos e saquetas dispostos no hall de entrada, prontos para seguir viagem. Dirigiu-se à cozinha onde a mãe cobria com folhas de alumínio, película aderente e ainda panos da loiça as travessas de arroz doce e fatias douradas que fazia como ninguém. Maria Adelaide! – ralhara – Ainda não estás vestida? E a mãe que se desfazia num mimo indisfarçável quando ela a tratava assim, estendeu-lhe um tabuleiro almofadado com mais panos de cozinha, onde dispôs com cuidado as travessas ainda quentes: Despacha-te a pôr tudo no carro que eu fico pronta num instante. Obedeceu, reclamando pelo atraso – que nem pareceria dia de festa se não reclamasse da desorganização da época - carregou o elevador com os sacos, saquinhos e saquetas, mais o tabuleiro que suspirava fritos e açúcar e canela, arrumou tudo dentro do carro e voltou para casa certa de que ainda faltava alguma coisa, porque nem pareceria dia de festa se não ficasse alguma coisa para trás.

 

No quarto, quando se ajoelhou para ajudar a mãe a calçar os sapatos - não porque precisasse de ajuda, mas porque não conseguia ficar parada – reparou numa caixa colorida, um presente esquecido na pressa dos preparativos, com certeza, que nem seria dia de festa se não houvesse um presente escondido debaixo da cama. Isto não é para ir? – perguntou pegando na caixa. Estranhou a rapidez com que a mãe lha tirara das mãos: É, mas vai aos meus pés. Pensou que seria algo frágil que a mãe – com razão, ou não a conhecesse bem – não lhe queria confiar e não pensou mais nisso. Pegou no casaco da mãe, nas chaves de casa, deitou um último olhar para ver se não faltava nada, apagou as luzes, fechou a porta, desceram no elevador, ajudou a mãe a sentar-se, doces nos joelhos, caixa colorida aos pés e seguiram viagem.

 

Chegadas ao destino, descarregado o carro e cumprimentada a família, instalaram-se os doces no aparador e os presentes debaixo da árvore excepto, é claro, a misteriosa caixa colorida que a mãe não perdia de vista. A noite decorrera sem sobressaltos com os habituais protestos – bacalhau cozido outra vez? porque é que não podemos comer outra coisa? não há demasiados fritos na mesa? tantos doces para quê? – que ajudavam sempre a encurtar a longa espera pela meia-noite, que Natal que se preze não dispensa o ritual e nem seria dia de festa se não se contestasse o menu. Abertos os presentes, um a um, distribuídos pelos mais novos, comentados e agradecidos, restava a misteriosa caixa que a mãe lhe estendeu, num gesto teatral iluminado por um sorriso de criança travessa: Ainda há este aqui por abrir. É para ti. Curiosa, pegara na caixa, rasgara o papel que envolvia e foi então que um sonoro mugido rasgou o ar e calou as vozes que enchiam a sala. O resto do papel desapareceu como por milagre, a caixa foi finalmente aberta e o ultimo presente revelado: Mãe! Deste-me uma vaca? Adoro vacas! E uns sorriam, outros sacudiam a cabeça condescendentes, a biscoiteira mugia a cada levantar da tampa e a mãe ria, e ria, e ria, feliz por ter encontrado o presente ideal e ter conseguido manter a segredo até aquele momento, que presente que é presente tem de ser surpresa.

 

--------------

 

Há dias, numa daquelas limpezas periódicas para despachar o que não utilizamos, encontrei a biscoiteira que, já partida, tinha sido relegada para o quintal, para junto dos sachos e das pás com que costumava jardinar. Quando lhe peguei, separou-se em duas partes, a tampa pendeu e a vaca mugiu. Raio da pilha que nunca mais acaba, pensei, enquanto relembrei aquela noite de Natal.

Já não foi para o lixo, voltou para ao pé das ferramentas de jardim.
Descobri-lhe uma utilidade: recorda-me o riso da minha mãe.

publicado às 22:03


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Julho 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D