Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O coração não dói

por Maria Alfacinha, em 17.01.13


Dói sim!
Dói de forma tão imensa que só nos apetece rasgar o peito e arrancá-lo, deitá-lo fora, para longe, bem longe, onde já não nos possa sentir. Dói como se de repente entupisse, transbordando de sangue, incapaz de o fazer correr pelo corpo, perfeitamente inútil para a função que lhe foi destinada, inerte, inchando de mágoa, crescendo de tal forma que acreditamos que rebenta.

 

Dói sim! Chiça, se dói!
Não há médico que nos valha, não há ciência que nos cure. Não podemos ir às urgências dizer que nos dói o coração. Se tivermos sorte dão-nos uma palmadinha nas costas e mandam-nos para casa com um "isso passa". Não há analgésico, não há tranquilizante que acabe com a dor. Dói até quando dormimos, quando conseguimos dormir. Povoa-nos o sono de pesadelos, fantasmas passados, receios futuros, dores antigas, feridas que nunca fecharam. Adormecemos sim, adormecemos de cansaço, puro cansaço. Porque não podemos fazer nada. Ninguém consegue fazer nada! Descobrimo-nos impotentes, completamente incapazes de acalmar esta dor como quando os bebés choram sem sabermos porquê.

 

Como podem dizer que não dói? Não há dor como esta!
Impede-nos de respirar, rouba-nos a vontade de viver, apaga todos os sóis, todas as estrelas, faz desaparecer todas as cores, torna os nossos dias escuros como noites sem luar. E é uma dor de tal forma insuportável que vemos no espelho as marcas que deixa em nós, a pele branca, acinzentada, os olhos sem vida, os lábios febris, o corpo dormente.

O coração dói, sim. E dói a alma também. Porque a alma também pode sofrer. Quando nos dói o coração ainda temos alma, sabes? E quando estamos sós, em perfeito delírio - creio eu - pedimos aos deuses, a todos os santos, que a levem, levem-nos a alma, dêem-na a quem a possa aproveitar. Mas levem também esta dor que nos mata, que nos deixa vazios, que nos queima as entranhas, que nos desfaz em pedaços.

 

Cambada de ignorantes, corja de imbecis.
Quem diz que o coração não pode doer não sabe o que diz.
No fundo são uns tristes, sabes?
Quem diz que o coração não pode doer é porque nunca amou.

publicado às 22:47


3 comentários

De aflores a 18.01.2013 às 09:19

Será que o amor é impróprio para cardíacos?

Amar e ser amado é algo muito especial... como o coração.

Vai daí que temos que ter muito cuidado, com o coração e o Amor.

De Maria Alfacinha a 18.01.2013 às 09:34

Não!! Pelo contrário!
O amor faz bem ao coração. Outra teoria com que muita gente discorda.
Amem, amem muito :-)

De anonimo a 29.01.2013 às 18:58

Se doi!! tem toda a razão se doi !!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D