Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Férias de cão

por Maria Alfacinha, em 01.08.06

185090_280925628688933_1528276460_n.jpg

Eu sou o Pepo. 

Acho que tenho quase 3 anos. Digo isto porque quando a minha dona me achou na rua, levou-me a um senhor que olhou para os meus dentes e disse que eu devia ter 6 meses. Bom, a idade também não interessa muito pois a minha dona passa a vida a dizer que eu nunca mais cresço e que hei-de ser sempre um bebé chorão. Adiante. Hoje resolvi dar-vos a conhecer a minha perspectiva deste sítio a que chamam férias. Já andava a ouvir falar nisso há uns dias. A minha dona, de vez em quando, dizia-nos que íamos para férias, que íamos conhecer um primo chamado Sebastião e que tínhamos que ser simpáticos com ele, porque ela não queria passar o tempo todo a correr atrás de nós. Não percebi muito bem qual era o problema pois se há coisa que eu gosto é de andar a correr atrás dela, ou vice versa, mas ela só falava que queria paz e sossego e isso deve ser alguma coisa muito cara ou difícil de arranjar. Seja como for irmos para férias devia ser complicado porque a minha dona começou a encher caixas com coisas e a riscar uns papelinhos que ficavam em cima da mesa da sala, e que deviam ser importantes, pois ela ralhava sempre comigo quando eu os tentava roubar. Por fim percebi que devíamos estar quase a partir porque fomos visitar uma senhora simpática que nos apalpou a barriga, espreitou-nos os dentes e os ouvidos, e deu-nos uns biscoitos sem sabor depois de nos espetar umas coisas nas costas. Na manhã seguinte, a minha dona fez-nos entrar no carro e lá começou a nossa viagem.

 

Não correu mal. Havia muitos carros a passar ao nosso lado e eu ainda tentei manter-me sentado para ver a paisagem, mas as curvas não ajudavam muito. De vez em quando ela olhava para trás e dizia que nós éramos uns cães bonitos e isso era suficiente para mim. Por isso resolvi deitar-me e esperar pela chegada às tais de férias. Não sei se adormeci, mas o certo é que a viagem não me pareceu muito grande. Quando a minha dona parou o carro e abriu a porta da bagageira percebemos que tínhamos chegado. Saltámos para o chão e demos com o portão das férias e do outro lado o tal Sebastião. Afinal também não eram precisas assim tantas recomendações: o nosso tão falado primo era simpático, parecia bem satisfeito por nos ver e resolveu logo mostrar-nos as férias, pelo que desatámos a explorar o local deixando à minha dona e ao tio que nos tinha acompanhado, a tarefa de tirar todas as caixas de dentro do carro.

 

Até agora estou a gostar bastante. Primeiro, a minha dona está sempre por perto que é uma coisa que me agrada muito. Gosto de dar uma voltinha e saber que ela está ali sentada com um livro na mão. Depois estas férias têm muitas coisas novas e diferentes. Mesmo ao pé da porta da casa há um relvado grande onde nós nos rebolamos e coçamos as costas. Há muitos pássaros por aqui e uns bichos estranhos que rastejam, mesmo ao pé de nós e que deixam o Dusty doido para os apanhar o que causa sempre alguma animação, isto para não falar dos buracos que ele já descobriu e por onde foge para ir explorar a vizinhança. A mim não me apetece. Gosto de ficar aqui por perto a correr com o Sebastião e a vir de vez em quando pedir conversa à minha dona. Só não gosto mesmo é daquele buraco grande e azul onde ela de vez em quando se mete. Descobri que tem água, muitaaa água, demasiada água para o meu gosto. Eu gosto de água em pequenas quantidades, assim dentro de uma tigela ou numa poça para eu beber. Mais do que isso já acho que é exagero. E este buraco tem tanta água que quando a minha dona se mete lá dentro desaparece completamente o que é uma coisa que me deixa sempre muito aflito. Depois lá vejo aparecer a cabeça dela e tenho que ir a correr para o outro lado do buraco para ver se ela está bem. O pior é que ela volta a desaparecer e quando a vejo novamente está no outro lado do buraco. Lá vou eu outra vez a correr e quando lá chego lá desaparece ela outra vez. É uma canseira ! Só sossego quando ela finalmente sai de dentro do buraco e vem estender-se ao sol. Já percebi há muito tempo que ela não se sabe sacudir pois quando a vejo tomar banho lá em casa ela usa sempre uma toalha para se secar. Aqui pelo menos fica sossegadinha e deixa que eu me deite no chão ao pé dela e até fala comigo, muita coisa que eu não entendo mas que gosto de ouvir na mesma.

 

E agora tenho que ir que ela já está com aquele ar de quem se vai meter outra vez dentro do buraco e eu tenho que ir tomar conta dela. Mas que mania! Hoje nem está sol! Porque é que ela não consegue ficar aqui quietinha, sentada ao pé de mim?

Ah que vida dura! Deve ser isto que chamam vida de cão...

publicado às 11:40


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Agosto 2006

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D