Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Era uma vez

por Maria Alfacinha, em 23.03.12

Era Uma Vez

 

Era uma vez uma menina que não gostava de ser criança. Não que fosse infeliz, não que a tratassem mal. Mas falava uma língua que as outras crianças da sua idade não entendiam e a menina gostava de falar e gostava das conversas de gente crescida, do som das palavras que não entendia. A gente crescida percebia que ela estava a ouvir e afastava-a: “Vai-te embora menina! Estas conversas não são para crianças”. Outros, percebendo o efeito que este gesto tinha na menina vinham atrás dela e tentavam consolá-la. Sentavam-se no chão e falavam língua de criança. E a menina aborrecia-se com as palavras simples que lhe ofereciam. Entendia-as todas e ela preferia o som das palavras que não entendia. Ficava presa no sorriso de quem lhe queria bem e imaginava sons de histórias que inventava para esconder as palavras que ouvia. Não podia desiludir aquela pessoa crescida que se esforçava por a consolar. E por isso sorria, não ouvia, mas sorria para fingir que lhe prestava atenção. Sabia já que assim a deixariam mais depressa e que poderia fugir para o quintal à procura de borboletas ou bichos de conta.

 

Era uma vez uma menina que tinha pressa de crescer. Não gostava de estar presa num mundo onde não falavam a sua língua. Era estranho este mundo. Os bebés entendiam-na, os animais também. Uns e outros gostavam quando ela aparecia. Os bebés guinchavam e agitavam as pernitas. Ela contava-lhes histórias e eles riam-se e puxavam-lhe as tranças. Os cães corriam para ela e faziam-lhe companhia deitados ao seu lado na relva, quando ela ali montava escolas e mercearias e hospitais. Gostava também de montar trabalhos. O pai ia para o trabalho e ela gostava de montar um trabalho igual. Um caderno, muitos lápis, um búzio grande a fazer de telefone. Depois sentava-se à frente destas coisas e ficava quieta. À espera. De vez em quando rabiscava no caderno, mais desenhos que palavras que ainda conhecia poucas e no fim o seu nome que já sabia escrever. Falava com os cães conversas de clientes, inventava o toque do telefone e encostava o búzio ao ouvido prestando atenção ao mar do outro lado. Dizia: “Pois, pois! Obrigado!” pousava o búzio e voltava a ficar quieta. À espera. Era isso o trabalho. O nosso nome em todos os papéis e esperar que o mar nos telefonasse.

 

Um dia a irmã da menina que vivia fechada num mundo estranho, pegou-lhe na mão e levou-a a visitar uma senhora de bata branca, como as dos médicos, que sorriu para ela e lhe acariciou a cabeça. Sentou-se num sofá, com as pernas a balançar, enquanto as duas conversavam percebendo que alguma coisa de diferente se estava a passar. O sol entrava pelas grandes janelas e a menina sentia-se quente e confortável ali. Reconhecia o cheiro a lápis de cor e olhava curiosa para os desenhos espalhados pela sala. A senhora então voltou a sorrir, levantou-se e à laia de despedida disse-lhe: “Então vemo-nos em Outubro”  e a menina percebeu que alguma coisa tinha mudado quando a irmã lhe explicou que ela vinha para aquela escola. Ah, nunca um Verão custou tanto a passar. Todas as pessoas crescidas lhe falavam na escola, como ia ser bom aprender a fazer contas. E ia poder finalmente ler sozinha as histórias que usavam para a adormecer. E ia ter uma mochila, e um livro só dela que tinha que estimar. E o coração da menina batia mais forte cada vez que lhe falavam na escola e diziam que já era crescida.

 

Até que o grande dia chegou. A menina acordou cedo e saiu orgulhosa de casa com a mochila que cheirava a nova, bem como tudo o que lá ia dentro. Os tios que viviam ao lado, vieram à rua despedir-se dela e a menina, vaidosa, apressava os pais. Partia para um novo mundo e não queria chegar atrasada. À porta da escola olhou com estranheza todos aqueles meninos vestidos como ela. Alguns sorriam mas muitos choravam agarrados aos pais. Quando a senhora de bata branca se aproximou sempre a sorrir, foi sem medos que lhe pegou na mão, tão excitada para a seguir que os pais tiveram que lhe pedir o beijo que ela já esquecia. Antes de entrar voltou-se para trás para acenar aos pais que ficaram parados no sítio onde os deixara. O pai dava palmadinhas nas costas da mãe que tirava um lenço da mala. Hesitou quando percebeu que a mãe chorava mas ela sorriu-lhe e fez-lhe sinal para continuar. E a menina cheirando a novo como a sua mochila e tudo o que lá ia dentro entrou finalmente no mundo dos crescidos.

 

 

in "Histórias de menina"

publicado às 14:22

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D