Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Beijos-remédio

por Maria Alfacinha, em 27.03.13

 

Numa tarde de chuva da minha infância, presa em casa por instância superior e cansada das brincadeiras de sempre, resolvi fazer companhia à minha mãe que, com uma adolescente e duas crianças para criar, quase todas as tardes tinha uma montanha de roupa para passar a ferro. Tenho uma vaga ideia de me ter instalado perto dela com um livro cheio de histórias que fingia ler – algo que ainda mal sabia fazer – e (aqui já estou a imaginar) inventando outras tantas com personagens que viviam apenas na minha ideia. Certo, certo é que ao fim de algum tempo, a minha pobre mãe, com certeza já cansada do trabalho doméstico e ansiosa que eu me calasse - pois este meu “falar pelos cotovelos" deve ter começado no dia em que nasci - resolveu dar-me uns lenços do meu pai para que eu os dobrasse, recomendando tanto cuidado que teria que o fazer em silêncio para que a concentração não me fugisse. Tarefa tão importante fez-me sentir crescida e lá consegui manter-me sossegada durante alguns minutos, mas a verdade é que não gostava do resultado final. Por muito que dobrasse, e espalmasse, e alisasse os lenços, eles nunca ficavam com o aspecto que tinham na gaveta, quando os roubava para fingir que eram fraldas de bonecas. E assim, aproveitando um breve instante de desatenção da minha mãe, peguei no ferro ainda quente e sentei-me no chão decidida a deixar os lenços impecáveis. Escusado será dizer que a aventura não acabou bem e, pouco tempo depois, os lenços estavam na mesma e na minha perna esquerda ficara marcado o desenho do ferro de engomar.

 

Lembro-me que o pânico foi grande. Recordo melhor a confusão que se gerou do que a dor que senti. Eu chorava, é claro, a minha mãe desesperava, acho que a minha irmã apareceu, ou foi outra pessoa que estava lá em casa, e naquele tempo não havia carros à porta, e a marca na minha perna passava de rosa a vermelho, de vermelho a cor de vinho, e as vozes exaltadas “temos que levar a menina ao posto”, “telefona ao teu pai para ele nos vir buscar”, e eu com tanta animação já não sabia se chorava da dor ou do ralho que me esperava. Sei que na cena seguinte – a memória divide-nos as histórias assim – já na marquesa e de penso feito, os ânimos mais calmos e a minha mãe medicada, pois quando os filhos estão doentes as mães também precisam de tratamento, consciente que, graças ao terminar do susto, me tinha livrado do castigo, é que me apercebi realmente da dor, aquela sensação de pele queimada em que nos apetece o frio e não o morno da gaze e das pomadas.

 

Devo ter choramingado, se calhar chorei a sério, e foi quando o meu pai, perdido finalmente o ar preocupado, me beijou a perna por cima do penso e perguntou: "Não está melhor?”. Eu fungando, de beicinho com certeza, assenti meio contrariada e respondi: “Também quero um beijinho da mãe”. E essa foi a primeira vez, que me lembre, que conheci o poder curativo dos beijos-remédio.

in "Histórias de menina"

publicado às 14:50

Pág. 1/4



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Março 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D