Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Encalhada

por Maria Alfacinha, em 29.10.15

EDWARD HOOPER Cotidianidad y genialidad, cine e in

Chegara a casa mais cedo do que era costume. Estava cansada, ansiava por uma noite sossegada, um sono reparador. Normalmente saía do autocarro duas paragens antes da sua e dava uma volta pelas ruas, observando a azáfama de quem regressava ao lar ao fim do dia, namorando as montras das lojas, arrastando um pouco mais a hora de regressar, adiando o silêncio que nem sempre conseguia disfarçar. Quando se sentia quase feliz oferecia-se algumas pequenas loucuras. Por vezes, entrava numa das lojas e comprava uma blusa cara, daquelas que se escolhem para uma festa e que sabia nunca estrearia. Mas gostava de as possuir, tocar-lhes, cheirá-las, olhá-las arrumadas e impecáveis no meio do roupeiro cheio de fatos escuros e fora de moda. Outras vezes, parava na pastelaria chique que ocupava o canto da grande avenida, sentava-se numa mesa perto da janela, e pedia a carta dos gelados. Invariavelmente escolhia uma Banana Split, por causa da bonita travessa branca em forma de canoa, as duas bolas de gelado de cores berrantes, não importava o sabor desde que sobressaíssem na montanha de chantilly - sorria: pode abusar, estou com a tensão um bocadinho baixa - enfeitado com raspas de chocolate e um espesso topping de morango. Hesitava sempre um breve momento antes de mergulhar os talheres naquela pequena obra-prima. Das primeiras vezes que se permitira tal aventura, ouvira nitidamente a voz da mãe, autoritária e fria, recriminando-a: “É para a engorda? Como é que pensas arranjar marido? Encalhada e gorda...” e mal tinha tocado no gelado. Agora sentia – com algum remorso, é certo - que as palavras já não a incomodavam, pelo contrário, era essa mesma voz que lhe redobrava o prazer da transgressão. “Pobre mãe...” pensava enquanto lambia gulosa a colher “se me visse agora, morria outra vez...” e quase perversamente, misturava pequenos pedaços de gelado, fruta e chantilly.

Mas hoje sentia-se demasiado cansada para tais passeios. Tinha mesmo recusado o convite da Mariana, com quem trabalhava há muitos anos, para jantar lá em casa. Não que noutra ocasião o tivesse aceite. A única vez que o fizera sentira-se alvo do desprezo da filha da colega, uma adolescente que a mirara sem pudor, tendo mesmo comentado os sapatos deselegantes que ela normalmente usava. Os pais bem que tinham tentado disfarçar a má criação, mas ela não conseguia esquecê-lo. Até porque a rapariga tinha razão. Os seus sapatos eram sapatos de velha, como a mãe tantas vezes lhe repetia, uma das muitas desculpas em que aproveitava para lhe lembrar que não tinha ainda arranjado marido. Ela fingia que não ouvia, perdoava-lhe a maldade, culpava a doença que a deixara presa à cama ainda muito nova. O pai desaparecera, assustado com a responsabilidade - ou seria o trabalho? - de cuidar de uma inválida e educar uma menina que ainda mal tinha saído da infância. As lides da casa aprendera-as com as vizinhas e fora uma tia que a ensinara a tratar da mãe. Só a força de vontade a impedira de desistir da escola e mais tarde conseguir um emprego, monótono mas seguro, que lhe permitira aumentar a pensão de invalidez de que viviam e proporcionar-lhes algum desafogo.

Porém, hoje, não queria relembrar nada disso. Queria silêncio e paz, dormir profundamente até de manhã. Podia tomar um daqueles comprimidos que a mãe tomava. Um apenas, não lhe havia de fazer mal, e ela precisava tanto de dormir. Despiu-se sem pressas, vestiu a camisa de dormir e abriu a cama com cuidado. Da gaveta da mesa-de-cabeceira, tirou o frasco que procurava e dirigiu-se à casa de banho onde encheu de água o copo dos dentes. Abriu o frasco, pegou num comprimido e engoliu-o com um pouco de água. E foi então que reparou na mulher que estava à sua frente, reflectida no espelho. Por momentos não se reconheceu. Depois quase sorriu. “Estou a ficar parecida com a mãe...” Devia ser da camisa de dormir, também estava fora de moda. Decidiu comprar uma nova. Ouviu uma gargalhada surda: "Encalhada..." e reconheceu a sua própria voz. A imagem no espelho devolveu-lhe o sorriso. Afastou o cabelo da cara. “É do cansaço. Estou cansada. Muito cansada. Só preciso de dormir. Dormir até de manhã”

E lentamente, engoliu um a um, todos os comprimidos que estavam no frasco.

Tags:

publicado às 11:24

Pág. 1/11



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D