Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Querido Pai

por Maria Alfacinha, em 19.03.06

bigstock-Father-and-Daughter-Playing-To-62310935b-

Nunca pensei voltar a escrever-te. Mas agora deu-me para isto. Escrevo cartas para toda a gente. Deve ser da idade. Sabes que já tenho 45 anos? Não achas estranho? Eu acho, tenho de estar sempre a lembrar-me disso. Gostava de saber de ti. Queria perguntar-te tanta coisa. São quase 20 anos de perguntas, consegues imaginar? Se te lembrares como eu era - como eu ainda sou - sabes que são muitas. Divertias-te com isso. Tenho tanta coisa de ti! O teu sentido de humor, o ouvido para a música... ainda hoje tento imitar o teu talento para tocar qualquer instrumento. A refilice herdei-a da Mãe, mas o orgulho foi de ti. E ensinaste-me a dançar, lembras-te? Devias ser fresco quando eras novo...

 

Não o demonstravas, mas hoje sei que te orgulhavas de mim. Contaram-me os vizinhos, as pessoas que me cumprimentaram no teu funeral. A surpresa foi tão grande, que cheguei a desconfiar que mentiam para me consolar. Foi preciso ouvi-lo muitas vezes para acreditar. Tinhas vaidade na menina que eu era. Gabavas-te da mulherzinha que eu me tinha tornado. Contrariamente ao que seria de esperar, apregoaste a quem quis ouvir que eu tinha decidido ir viver sozinha. Na época não era normal as meninas fazerem essas coisas. E quiseste ser o meu primeiro convidado para jantar. Chegaste a horas. Bisbilhotaste a casa toda e foste verificar o quadro da electricidade, os tubos do gás, as torneiras. Coisas de homem, preocupações de Pai. Depois sentaste-te à mesa e discutimos política. Eram tão divertidas as nossas discussões. Era raro estarmos de acordo e isso espicaçava-te. As nossas zangas estavam tão longe...

 

Nunca consegui aceitar a tua decisão de acabar com a vida. Durante mais de 10 anos não falei com ninguém sobre isso. Quando me perguntavam como tinhas morrido eu chegava a ser brutal: “Matou-se!” Era a melhor resposta. Já não faziam mais perguntas, não voltavam a tocar no assunto. Não queria ser consolada, não queria ouvir dizer que era normal sentir-me culpada. Porque eu assumi as culpas por te sentires tão desesperado. Devia ter errado em qualquer lado para chegares a esse ponto. Não me zanguei contigo. Discuti contigo na manhã do teu funeral, quando estávamos só os dois na casa mortuária. Nessa altura zanguei-me a sério. E zanguei-me comigo por não ter estado mais atenta. Li tudo sobre suicídio para tentar entender. Irritei-me com as explicações dos psicólogos que pareciam inventadas apenas para me confortar. Tretas! Sabes o que eu acho? Que os suicidas são egoístas, não pensam em quem os ama. Ou será que pensaste em mim nesse momento? No desgosto que me ias causar? Não sabias que eu estava ali, à distância de um telefonema? Julgavas que te íamos esquecer? Que seguiríamos a nossa vida como se tu tivesses sido mais um percalço: “Oh que chatice, mais uma contrariedade! Bom, mas a vida continua!”?

 

Já sabes como sou, querido Pai, e continuo na mesma. Não estou a ralhar contigo, é apenas a minha maneira de falar. Nunca aceitarei a tua decisão, mas respeito-a. Levei algum tempo, mas agora respeito-a. Hoje não me canso de falar de ti. Conto as tuas piadas e esqueci o que fizeste mal. Relembro a tua apetência por tudo o que era novidade: havias de ser um às dos computadores, um exímio cibernauta. Todos os anos recordo como desapareceste no 25 de Abril, deixando toda a família preocupada, porque quiseste ir para a Baixa, ver cair o regime. A Mãe quase que te bateu, lembras-te? E quando me perguntam como morreste eu hoje sorrio e respondo de mansinho: “Fartou-se de viver”. E conto mais uma história de ti.

 

Teria muito mais para te dizer mas esta carta já vai longa. Levei 20 anos para a escrever, tens sorte em eu a acabar aqui. Só queria que soubesses que podes ter conseguido livrar-te de todas as dores e problemas, mas deixaste-me um vazio imenso e uma saudade que nunca desaparecerá. A dor é cada vez mais doce. A tua memória ajuda a suavizá-la. Esta carta também. Entendo agora porque a escrevi.

 

Recebe um beijo muito grande desta filha que te amará para sempre.

 

Tags:

publicado às 13:30


9 comentários

De * * Grilinha * * a 25.09.2006 às 03:20

De post em post já li o teu blog de lés a lés.
Este tocou-me e não consegui evitar o rolar de algumas lágrimas saltitonas.
Lembrei com saudade o meu pai que partiu há 22 anos, precisamente no dia em que fazia 56 anos e o meu filho mais novo completava 1 ano de idade.
A data é sempre recordada com alguma sudade e até porque o rapaz tem o nome do avô.
O meu pai fez-me muita falta ao longo destes anos.
Tenho a certeza de que a minha vida teria sido bem diferente se o tivesse ao meu lado.
Lá além, onde quer que seja, o teu pai estará sempre a pensar e a olhar por ti.

De Maria Alfacinha a 30.09.2006 às 20:06

Sabes... eu acho que ele está sempre aqui.
Tenho tanto dele que são raros os dias em que não me lembro dele.
E é isso que o mantém vivo. A minha memória dele.

Beijo grande pelo sorriso que me ofereceste :-)

De * * Grilinha * * a 01.10.2006 às 20:07

Eu tb costumo pensar assim.
Antes de os perder nem me passava pela acbeça a ideia de falar sozinha com eles.
Hoje em dia é isso que muitas vezes acontece. Dou comigo sozinha em casa e a falar alto com o meu pai ou a minha mãe como se estivessem aqui comigo.
Não me parece que esteja a ficar tontinha das ideias pois sei que não estão cá mas alivia-me muito os desabafos em voz alta.
Se me ouvem ou não: não sei, não quero saber e pouco me importa com quem saiba

De Maria Alfacinha a 01.10.2006 às 23:24

Que interessa se nos ouvirem ?
Tens medo que te julguem doida ? :-)
Por via das dúvidas, eu continuo a falar com ele.
Quem me garante que não me ouve ? :-)

De * * Grilinha * * a 03.10.2006 às 21:10

eheheheh ainda bem que não ando a falar sozinha

De (des)Esperança a 29.10.2015 às 14:54

já somos três a falar "sozinhas"..... =)

De Maria Alfacinha a 29.10.2015 às 15:05

Como é que descobriste isto? Tem quase 10 anos :-)

De miilay a 29.10.2015 às 16:13

Amiga, como gostei de ler a carta para o teu pai. Sabes que nas conversas que eu tinha com o meu, também nem sempre ou quase sempre , estávamos de acordo. Mas ele chamava-me a sua âncora. Nos últimos tempos de vida prestei-lhe muitos cuidados.Tu nem tiveste essa oportunidade, mas é muito difícil falar e aceitar o suicídio, mas quem o faz terá a sua razão, para nós incompreensível.
Amiga,continua, a falar com ele pois penso que quem ama os que já partiram o farão.
Um abraço
miilay

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Março 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D