Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Bonanças

por Maria Alfacinha, em 15.08.15

Bonanças

 

Sentada no chão, encostada à cama, só dei pelo escurecer do céu quando, sem aviso prévio, comecei a ter dificuldade em ler o livro pousado nas minhas pernas. Procurei com os olhos o relógio na mesa de cabeceira, do outro lado do quarto, e sorri sozinha ao perceber que não tinha dado pelo passar das horas. Mais uma vez, a limpeza das estantes teria que ficar para outro dia, sabe-se lá quando acabarei a tarefa se cada vez que a inicio encontro um livro que me traz saudades - ou que não reconheço - ou que tem algures uma personagem, uma cena, uma simples frase de que não me esqueci - ou de que já não me lembro - que quero reler, corrigir, confirmar, e tenho que parar tudo o que faço naquele momento e procurar a recordação - ou a deslembrança - folha a folha, linha a linha, acabando por ignorar o que me levou ali. Quando as cortinas, que toda a tarde tinham dançado ao ritmo de uma brisa pouco mais que suave, se levantaram de rompante e fugiram pela janela, enrodilhando-se no limoeiro que vive mesmo em frente, acabei por me levantar deixando no chão o livro que me roubara tantas horas, preocupada que o vento, que se levantava violento, rasgasse o fino tecido.

 

O céu, carregado de cinzento, tapado por nuvens espessas que escondiam a luz - quedas apesar do vento que fazia rodopiar as folhas das arvores que se soltavam à sua passagem - contrastava com o colorido dos sacos e chapéus de sol das gentes fugidas da praia e que enchiam a rua, chamando os mais pequenos, enrolados nas toalhas que ainda há pouco demarcavam o seu espaço no areal, uns rindo da figura que faziam, outros reclamando a sua pouca sorte, parecendo fazer coro com as gaivotas que, excitadas com a mudança do tempo, voavam em círculos enchendo o ar com o seu grasnar. Se a praia carregada de gente não me atrai, já o areal vazio sob a ameaça de uma tempestade é um destino de sonho que raramente consigo evitar. Recolhidas as cortinas e fechada a janela, esquecidos os livros e os louváveis propósitos de limpeza – que, em abono da verdade, tenho grande dificuldade em cumprir – procurei no fundo do bengaleiro o velho corta-vento que me costuma acompanhar sempre que a Mãe Natureza se parece zangar com a Humanidade e saí para a rua, enfrentando, em passo rápido e decidido, o vento que soprava na mesma direcção dos banhistas, como se os empurrasse para um porto seguro.

 

Detive-me no alto do paredão que anuncia o espaço onde reinam os deuses da ordem e do caos para, com um sorriso maior que o medo, me deixar encantar – como se não vivesse já em estado de graça só por os meus dias serem estrofes da canção do mar – pela paisagem fantástica que se revelava no horizonte, uma sinfonia de cinzentos que acompanhava a dança das ondas que se desfaziam em brancos, como se pequenas e alvas nuvens tivessem mergulhado no mar e, rindo como crianças, deslizassem sobre a agua, em brincadeiras de corridas até à areia onde se espraiavam, sem fôlego, a descansar. Ao longe, indiferentes aos jogos das nuvens que se mascaravam de espuma, mar e céu defendiam as suas crenças, agitando as águas em argumentos de revolta e declamando ideais no ribombar dos trovões. De quando em vez, um relâmpago iluminava os céus, tocando o mar, como se apertassem as mãos, ou fizessem um brinde, selando uma amizade que vem do fundo dos tempos para logo depois recomeçarem a conversa, uma história contada a dois, um erguendo vagas de agua e sal, o outro gritando razões e verdades que só ele conhecia, um espectáculo de som e luz e cheiro a conchas e maresia, encenado só para mim, assim queria acreditar.

 

Fascinada com tudo isto, não dei pela tua chegada.
Abraçaste-me: Sabia que estarias aqui.
Encaixei-me nos teus braços: Sabes sempre onde me encontrar.
E ficámos em silêncio, abraçados, à espera que o sol viesse resolver a contenda e que as nuvens deixassem o mar em paz.

publicado às 10:55


8 comentários

De Cris a 15.08.2015 às 13:31

Portanto, o sol é o juíz de paz?

De Maria Alfacinha a 17.08.2015 às 22:02

Neste caso, sim :-)
(na maior parte dos casos, também)

De Cris a 15.08.2015 às 13:33

Pus acento em juiz... sorry

De Mãe Maria a 18.08.2015 às 11:15

Lindo texto. Amo a sua escrita.

De Maria Alfacinha a 01.09.2015 às 12:28

Ah, tão querida :-)
(sou muito desajeitada a agradecer, caso não tenha reparado)

De poetaporkedeusker a 20.08.2015 às 15:36

... e, aqui, nestas tuas palavras me perco e te confesso que me deixaram sem palavras... como gosto de te ler! A realidade, no entanto, vai-me impondo, pela cada vez maior falta de tempo - ah, meu querido tempo de solidão e de interioridade... -, uma leitura apressada... mas não pode ser superficial! Não, nunca me habituarei às leituras "superficiais" a que tantas vezes tive de ceder!

Li-te até à raiz!

Beijo grande!!!

De Maria Alfacinha a 01.09.2015 às 12:29

Sei que sim, que sempre me lerás até à raiz.
Menos vezes, talvez, mas nunca superficialmente :-)
Beijo grande, Poeta

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Agosto 2015

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D