Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Com sabor a cor

por Maria Alfacinha, em 13.08.15

Com sabor a cor

São cinco as canetas que alinhei cuidadosamente, em cima da mesa de café, deliciando-me com o contraste das cores brilhantes na madeira escura. Descobri-as no fundo da gaveta quando procurava outra coisa qualquer. Cinco canetas. Uma de cada cor. Como se o tivesse feito de propósito, como se, ao romper a embalagem em que tinham chegado ali, as tivesse escolhido sortidas, uma de cada cor. Mas não. Lembro-me que não foi isso que aconteceu. Tinha escolhido uma ao acaso, na urgência de qualquer nota com pressa, um número de telefone, uma palavra, uma ideia. Depois empurrara as restantes para dentro da gaveta onde ficariam esquecidas até às arrumações periódicas a que os remorsos da minha amada indisciplina me obrigam. Sei que as arrumei num outro local. Por isso estranhei quando encontrei estas cinco, uma de cada cor como se as tivesse escolhido assim, no fundo da gaveta onde não as arrumara. E também por isso as trouxe agora e as alinhei cuidadosamente em cima da mesa de café, deliciando-me com o brilho que cada uma das cores deixa na madeira escura.

 

Recosto-me no sofá em silêncio, sem conseguir desviar olhar daquele quase arco-íris que desenhei. Percebo que estou fascinada e isso confunde-me. São apenas canetas, cinco, uma de cada cor - azul, verde, roxo, laranja e amarelo – e escrevem todas a preto. Preto sólido e convicto. Preto no branco-papel como eu me vejo nas palavras, nos gestos, nos quereres. Pergunto-me que sabor teriam as palavras se as canetas falassem noutra cor. Amargas se escolhesse o laranja. Nunca gostei do laranja, é mania, eu bem sei. E o verde tem que ser alface, logo as palavras estalariam frescas e atrevidas. Contrariando o gosto que se diz bom, sempre gostei do amarelo, quente e brilhante como o Sol. Assim, desmaiado e quase invisível no papel, sabe a segredos escaldantes sussurrados ao pôr-do-sol. Já o azul pode ter todos os nomes, pode ser céu, água ou noite. Escritas a azul, as palavras são imensas, não têm fim, perdem-se de vista no horizonte, sabem a viagens impossíveis. E o roxo é a cor das palavras sentidas, das que apenas o coração conhece, das histórias de Amor, dos contos de encantar, preferida pelas fadas e pelos amantes, sabe a ambrósia e mel.


Abro o caderno em cima dos joelhos e uma a uma, experimento cada uma das canetas. São cinco, cada uma de sua cor, cuidadosamente alinhadas na mesa de café. As palavras brotam delas, firmes, cheias e seguras como o preto que vai enchendo a folha, cobrindo o branco estéril e impoluto, com letras desenhadas em ternos redondos e afoitos floreados que se revelam doces como beijos deslizando suaves e cheirosos na pele de um bebé.

Afinal pouco importa a cor de que se vestem as canetas que encontrei no fundo da gaveta. Têm a medida certa, enamoraram-se dos meus dedos e conhecem, como ninguém, os segredos do meu coração.
Importam apenas as palavras.
Têm vida, alma e calor.
Cheiram a flores e sabem à cor que lhes quiserem dar.

publicado às 22:01


6 comentários

De Cris a 13.08.2015 às 22:55

Oh, pá, umas simples canetas fazem-te escrever um texto tão bom! Que maravilha! Obrigada

De Maria Alfacinha a 13.08.2015 às 23:39

Ora essa! Atão querias que escrevesse com os dedos???

De Maria das Palavras a 14.08.2015 às 10:05

Que lindo :)

De Maria Alfacinha a 15.08.2015 às 11:06

Será da cor ou do sabor? :-)

De green.eyes a 14.08.2015 às 18:02

E sobre 5 canetas apenas conseguiste escrever mais um lindo texto ... parabéns.

Fico a imaginar o que saia dai se ao abrires a gaveta encontrasses 10 ou 15 canetas ... meu deus.

Bom fim de semana.

Bj

De Maria Alfacinha a 15.08.2015 às 11:08

:-)
Podemos escrever sobre qualquer coisa. E eu adoro que me dêem motes.
Houve quem não acreditasse que era possível escrever sobre canetas... :-)
Bom fim-de-semana

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Agosto 2015

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D