Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Entretanto...

por Maria Alfacinha, em 28.07.15

Aero-Lisboa-interior-ANA.jpg

Ah, bom dia, estava a falar comigo? Estava tão distraída a pensar no que aconteceu, que nem percebi que já tinha chegado a minha vez. Não, não sou passageira. A situação é a seguinte: vim buscar uma pessoa de família e soube, entretanto, que tinha perdido o avião, e que só chega daqui a duas horas. Como não valia a pena andar para trás e para a frente, resolvi ficar por aqui e, para me entreter, tenho andado a ver quem chega, e a imaginar-lhes as viagens que fizeram. Coisas minhas, não interessa. Sei é que, entre imaginar histórias e o que aconteceu ao meu familiar, devo ter-me distraído e perdi uma coisa. Na verdade nem sei se estou no sítio indicado, mas, quem sabe, talvez me possa ajudar. Perdi-o aqui, sim, esta manhã. Cheguei cedo e sei que o trazia comigo, mas agora não o encontro. E não é normal perder alguma coisa, ou talvez deva dizer que não perco coisas normais. Quer dizer: não sou daquelas pessoas que perde os óculos, a carteira ou as chaves de casa. Já me esqueci de qualquer uma dessas coisas muitas vezes, mas sei sempre onde estão. Chapéus-de-chuva, já é outra conversa, passo a vida a perdê-los, mas não é o que acontece a toda a gente? De resto não me lembro de perder nada realmente importante na minha vida. Mas há perder e perder, não é?

Desculpe, ponho-me a divagar e perco o rumo à conversa. Aqui entre nós, perco-me com facilidade e gosto de me perder. Perder-me nas tarefas, perder-me em pensamentos, perder-me de riso. Já por várias vezes perdi o pé quando estava a nadar, por exemplo. Mas dava umas braçadas e lá o achava no sítio onde devia estar. Perder a cabeça também já me aconteceu, e todos os dias, mas todos os santos dias, perco a paciência. Perder tempo é que não é comigo. Posso desperdiça-lo, esbanja-lo mas perder nunca o perco, nem mesmo quando o dou como perdido. Perder os sentidos, só uma vez me aconteceu, e não é nada agradável, devo dizer. É quase tão mau como perder a alegria, que neste caso estamos conscientes do que perdemos e, quando perdemos os sentidos, só o sabemos quando os recuperamos. E como vê, de vez em quando também perco o fio à meada e ainda perco o seu tempo também. Vamos, então, ao que interessa: gostaria de saber se encontraram um coração. Não um coração qualquer, mas o meu coração.

Se é uma jóia? Obrigada, é muito simpático em pensar que é uma jóia. Para mim é, claro. Tenho-o desde que nasci, pode-se dizer que me foi oferecido pelos meus pais, e ao fim e ao cabo tem sido ele que tem guiado a minha vida. É um coração bonito, perdoe-me a vaidade, enfeitado com pequenas cicatrizes cada uma com um amor por desvendar. Mas não pense que é um coração fácil. Já me deu alguns desgostos, digo-lhe eu. Quando se perde de amores não há nada a fazer. Perde o bom-senso, perde o apetite, perde o sono, perde o medo, eu sei lá! Quantas vezes perde a prudência e acaba por ser roubado. Não é o caso, ou estaria no balcão da Polícia e não aqui. Sei sempre quando me roubam o coração e hoje não foi isso que aconteceu. Suspeito que estivesse demasiado leve e tenha ido atrás de algum sonho. É sinal que está feliz, não é? Um coração pesado não persegue sonhos. Encolhe-se num canto e espera que o esqueçam.

Não me pode ajudar? Não se preocupe, valeu pela boa vontade. Quem me manda a mim perder tanta coisa estranha? Fazemos assim: da próxima vez que perder o chapéu-de-chuva, perco-o aqui. Sim, também perco coisas porque quero e, por vezes, faço-o apenas para agradar a alguém. Entretanto, se vir por aí um coração perdido, diga-lhe que estou lá fora a tentar perceber como se consegue perder um avião. Isso é que ser distraída!

publicado às 12:07


4 comentários

De Paulo Vasco Pereira a 28.07.2015 às 15:02

Gostei muito.

"Invejo" tão fecunda e ativa criatividade.
Bjs

De Maria Alfacinha a 28.07.2015 às 18:22

:-) Um verdadeiro exercício de disparate, não é?

De Cris a 28.07.2015 às 23:43

Um verdadeiro exercício de amor. Amor pela escrita, amor pelas histórias, amor pelas palavras e amor por nós, leitores, que ficamos de lágrima no olho com estas coisas deliciosas com que nos presenteias.

De Maria Alfacinha a 29.07.2015 às 14:16

Ah, amor sempre, por tudo o que enumeraste e mais ainda!
Se soubesses como é bom que alguém nos leia assim... :-)
Obrigada, minha linda, pelo carinho com que comentas

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D