Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



(in)Certezas

por Maria Alfacinha, em 08.07.15

chess.jpg

 

Somos muito rápidos a julgar. Temos opinião sobre tudo. Sabemos sempre como os outros deverão agir. Adoramos dar conselhos. Não pensamos se será o momento para os dar, se nos conseguem ouvir, raciocinar, entender. Não reconhecemos a importância do silêncio, da não-resposta. Esforçamo-nos pouco por ver o lado do outro, calçarmos os seus sapatos. Mesmo quando acreditamos que o estamos a fazer, esquecemo-nos que não percorremos os mesmos caminhos, que não conhecemos os pormenores da viagem e não levamos a sério quem nos diz que tem medo do escuro, quem confessa não ter coragem, quem assume o cansaço. Confundimos o sentimento de impotência com inércia, fadiga com fraqueza, não-indignação com alheamento. Medimos os outros por aquilo que somos. Somos nós a medida-padrão, com os nossos defeitos e as nossas qualidades.


Mas não vemos, apenas olhamos. Não escutamos, apenas ouvimos. Ofendemo-nos com facilidade, exaltamo-nos, insultamos, agredimos, muitas vezes fisicamente. Não procuramos perceber o que leva alguém a agir de determinada forma e não paramos para perceber porque é que isso nos afecta. Reagimos automaticamente e como o fazemos sem pensar, achamos que somos honestos, sinceros, quase puros nas intenções. Quando contrariados – ou assim o cremos – retribuímos mais ou menos violentamente, na proporção inversa das nossas certezas e consideramo-nos no direito de o fazer. Acreditamo-nos correctos, sabemo-nos bem-intencionados e não admitimos que não o reconheçam. Por vezes espantamo-nos por não nos louvarem.


Não sabemos relevar. Adoramos castigar. Gastamo-nos a remoer no que nos fizeram. Perdemos o sono, arquitectamos vinganças, coleccionamos rancores, alimentamos raivas e irritações. Envenenamo-nos. Lentamente. Muito lentamente. Por vezes desforramo-nos e estranhamos o vazio que nos enche o peito. Enfronhados na velocidade dos dias que nos impomos - que aceitamos ou desejamos - resguardados na razão que cremos ser única porque justa, não nos apercebemos da melancolia que nos invade, chamamos-lhe cansaço, culpamos a vida, o tempo, a economia. E não percebemos porque não somos mais felizes quando temos tantas certezas que nos guiam.

publicado às 11:01


2 comentários

De Cris a 13.07.2015 às 18:22

Que boa reflexão!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D