Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Inocência

por Maria Alfacinha, em 24.06.15

HDPackSuperiorWallpapers441_297.jpg

 

Entrámos ao mesmo tempo. Tinhas-me visto ao longe e eu esperara por ti, pelo teu abraço. Sei sempre que me vais abraçar, não importa se tens pressa. Seja onde for que te veja, não limitas o cumprimento aos beijos rápidos a que a vida nos habituou. Os teus braços abrem-se para quem gostas e apertas-nos sincera contra o teu peito. Assim que entramos cumpres o ritual que já te conheço: acenas a quem está atrás do balcão, debruças-te sobre os mais velhos, acaricias as faces, as mãos ou os ombros daqueles por quem passas. Tocas todos os que te rodeiam. “Mas tu tens que mexer em toda a gente?” pergunto-te sorrindo, enquanto nos sentamos, tentando, sem sucesso, que a minha voz soasse a reprimenda. Ergueste o olhar de quase espanto, enquanto arranjavas espaço para o saco que carregas para todo o lado: “Mexo?” perguntaste. “Mexes!” confirmei rindo “Distribuíste festas pelas quatro mesas que passámos”. O teu olhar repetiu o caminho que fizéramos e atestou o meu cálculo: “Pois foi!” - o teu sorriso tornou-se traquina, quando te debruçaste sobre a mesa em tom de segredo - “Até há quem me ache estranha por causa disso...” e riste-te com gosto. 

 

Com um gesto mudo pediste os nossos cafés e continuaste: “Achas-me pirosa?" Foi a minha vez de me rir: "Nem por isso, porquê?" O teu rosto estava quase sério, demonstração inequívoca que já tinhas pensado no assunto: "Sei lá! Por te dar o braço quando vamos na rua, por exemplo. Quando éramos adolescentes seria considerado piroso..." À nossa frente uma criança olhava-te curiosa por cima do ombro da mãe. Atiraste-lhe um beijo fazendo-a sorrir e esconder a cabeça, fingindo-se envergonhada. "Lembras-te da Teresa?" perguntaste "A minha colega de Liceu, lembras-te ?" A criança procurava-te com o olhar e tu escondias-te atrás das mãos, espreitando entre os dedos, alimentando a brincadeira que lhe provocava o riso. "Éramos inseparáveis. Íamos juntas para todo o lado. Parecíamos siamesas" continuaste sem esperar pela minha resposta "Acho até que chegámos a criar alguma... fama" acrescentaste, piscando o olho. "No entanto não nos atreveríamos a andar de braço dado na rua!"  Trocei: "Mas tu nunca te importaste muito com o que os outros pensavam..."  Levantaste a cabeça - a mesma cabeça que nunca baixas - orgulhosa: "É verdade. Aí está algo que eu posso dizer, com toda a certeza, que não mudei com a idade! Mas uma coisa era termos fama de lésbicas e a outra era sermos pirosas!" Soltaste uma gargalhada: "As coisas que nos preocupam quando somos adolescentes..."  

 

Beberricaste o café em silêncio já perdida em pensamentos, e eu limitei-me a esperar a conclusão das tuas reflexões. “Sabes o que realmente me preocupa? Esta confusão que se instalou entre as pessoas. O assumir que os gestos de carinho têm, muito provavelmente, carácter sexual. A dificuldade em distinguir amor, luxúria e desejo."  Um pequeno guincho interrompeu-te. A criança ria-se provocadora, num supremo esforço por recuperar a tua atenção. Sorriste-lhe e devolveste-lhe o aceno que te oferecia, enquanto se afastava ao colo da mãe. Ficaste a observá-las até saírem. “O medo... “  murmuraste quase como se falasses contigo mesma. Olhaste-me séria. “Há uns anos atrás não teria qualquer pudor em fazer uma festa aquela criança, beijá-la, pedir para a pegar ao colo. Hoje não me atrevo. Receio que a mãe se assuste, que me julgue capaz de lhe fazer mal. O medo instalou-se entre nós. E perdemos a inocência." Encolheste os ombros, sacudiste a cabeça e suspiraste: "Perdemos a inocência, mas ainda nos surpreendemos por já não sabermos Amar.” 

E o sorriso que me ofereceste não conseguiu disfarçar a mágoa que sentias.

 

in "Leitaria do Bairro"

publicado às 12:55


6 comentários

De golimix a 24.06.2015 às 23:12

Lindo texto.
Adorava conhecer essa tua amiga!

Não sei se é de agora a perda da inocência, já na minha infância a minha mãe morria de medo de tudo e nada. Fui habituada a não expressar carinho, apesar de a minha natureza ser assim, reprimiram toda a minha demonstração de afecto e foi difícul voltar a recuperá-lo. Acho que começou a recuperação assim que o meu filho nasceu. Porque ele era um inocente e devolveu-me a minha inocência.

Infelizmente o mundo não é inocente.

Mais uma vez parabéns pelo belo texto

De Maria Alfacinha a 26.06.2015 às 12:29

Se calhar conheces esta minha amiga :-)
Pode não ser uma única pessoa mas a "mistura" de várias...
O mundo não é inocente, é verdade.
Mas sabes o que me deixa a pensar?
A "facilidade" com que aceitamos isso...
'brigada

De golimix a 26.06.2015 às 12:59

Com que aceitamos e não combatemos...

De Maria Alfacinha a 26.06.2015 às 17:56

Pecamos pela conivência...

De Terminatora a 11.08.2015 às 00:58

Que texto bonito! E deixa-nos muito a pensar...

De Maria Alfacinha a 13.08.2015 às 22:24

Também a mim me deixou :-)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D