Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Noite de Verão

por Maria Alfacinha, em 30.07.15

noites.jpg

Parece que o Verão chegou, finalmente. Já não era sem tempo, que tardava este ano, mas a noite está demasiado quente e não consigo dormir. Farto de dar voltas na cama, inventando desconfortos – a almofada amassada, a luz filtrada pelas cortinas, a boca seca, um braço dormente - resolvi levantar-me, beber um pouco de agua e, instalado no sofá, pegar no livro que, teimosamente, insisto em ler, obra de um autor tão louvado pela crítica, coleccionador de prémios e que, sabe-se lá porquê, me aborrece terrivelmente. Não foi preciso muito para que a atenção me fugisse, desculpando-se com o camião do lixo anormalmente barulhento que passava na rua, e me obrigasse a desistir dos meus propósitos. Acabei por vir sentar-me na varanda, à procura de um pouco de ar fresco e, quem sabe, do sono que não sei onde perdi. Ou talvez saiba e a verdadeira causa da minha insónia seja outra. 

 

Ainda não consegui apagar esta sensação incómoda da figura de tolo que fiz esta manhã. Entretido com as palavras cruzadas e ensaiando, uma e outra vez, o que iria dizer, não me apercebi que ela entrara atrás de mim. Devo ter saltado no banco, quando lhe reconheci a voz - Horizontal 3, 4 letras? - e saiu-me um "o quê?" estremunhado. Ela riu – que eternidade aqueles milésimos de milésimos de segundos, em que me esbofeteei mentalmente por aquele "o quê?" rude, quase grosseiro, que deixara escapar - e acrescentou: talvez eu possa ajudar. E eu, feito palerma, sem pensar – café… quer ir tomar um café? quer dizer... a palavra é café, ou melhor... pensei que podíamos… - e ela surpresa, sem reacção, a olhar para mim, sem dizer nada, pudera, teria que me interromper, e eu que não me calava e a cada explicação que dava mais confuso ficava e olhava para a janela aberta, a nossa janela, sim, era a nossa janela porque tinha sido por causa dela que nos tínhamos conhecido, a nossa janela por onde, naquele momento, eu teria fugido se pudesse, e pedia-lhe, pedia a uma ja-ne-la! – que idiota, mas que idiota – que me ajudasse e pusesse fim aquela tortura.

 

Senti, então, que a mão dela pousara discretamente no meu braço - assustei-o, desculpe – e o seu rosto em sorriso – foi sem querer – e eu, finalmente calado, retribui o sorriso e esperei que ela continuasse a falar, enquanto ela falasse eu não abriria a boca, não balbuciaria mais disparates ou soltaria um outro “o quê?”, ou outra expressão boçal que me impedisse de fazer boa figura – que diabo, logo hoje que até fiz a barba com cuidado – e ela deve ter percebido o meu embaraço, ou talvez fosse impressão minha e, ajeitando a mala no colo – estava muito barulho, não percebi o que disse – dando-me tempo para que voltasse a respirar normalmente e explicasse num tom de voz firme – infusão de grãos torrados e moídos, 4 letras, café  – e já calmo – e lembrei-me que talvez pudessemos tomar um café. Ela respirou fundo, pensou durante um instante e sorriu – Sim, claro. Amanhã?e eu, perdido o interesse nas palavras cruzadas, que me entretêm quando não tenho com quem falar, dobrei o jornal e assenti – Amanhã.

 

Só agora reparo que a lua brilha mais que as luzes da cidade. Vou voltar para a cama. A noite continua quente mas o sono regressou e anda aqui a rondar. Ou isso, ou comecei a gostar de café.

in (...)
o outro lado

Tags:

publicado às 23:48


8 comentários

De (des)Esperança a 31.07.2015 às 09:24

e a história lá continua !!! e eu (nós) acredito que há histórias assim na vidinha de todos os dias! Não tão belas como as escreves, mas enfim...

De Maria Alfacinha a 31.07.2015 às 09:47

Não resisto quando me pedem histórias
E sim... há muitas histórias destas por aí; basta andarmos de olhos abertos para as ver...

De Cláudia Oliveira a 31.07.2015 às 10:50

Vamos ter de esperar por amanhã e torcer que o café corra bem.

De Maria Alfacinha a 02.08.2015 às 11:28

Atão e o outro lado (ou, como fazer render uma história)

De Cris a 31.07.2015 às 13:32

Ah, que maravilha! Adoro o ar envergonhado, trapalhão e inseguro do nosso protagonista!

De Maria Alfacinha a 02.08.2015 às 11:29

:-)
Sabemos lá o que as pessoas realmente sentem e não demonstram?
O que estará por trás das poses seguras e das vozes firmes?

De Dama de espadas a 31.07.2015 às 23:08

Mais mais mais...
É tão bom ler os "começos" ...

De Maria Alfacinha a 02.08.2015 às 11:30

Tão verdade... :-)
Ansiamos por finais felizes e, para isso, basta o começo ser bonito.
Pensamos nós, claro, embora nem sempre (ou quase nunca) seja assim.
Veremos... veremos :-)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D