Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Novembro 1967

por Maria Alfacinha, em 26.11.14

10336838_1475826422690691_2708401595509481201_n.jp

 

Se eu dissesse que me lembro de tudo estaria a mentir. Há pormenores de que recordo até o cheiro, mas a maior parte da história só a sei de ouvir contar. Não é de estranhar: ia fazer 7 anos, e não estava presente nos locais onde tudo decorreu. Ficáramos sozinhos em casa, eu, o meu irmão e a Lucinda, uma adolescente que tomava conta de nós, os três esticados em cima da cama dos meus pais a ver televisão, uma prevaricação apenas possível porque a Lucinda era tão infantil como nós. Tenho a noção que era muito tarde, mas podiam ser apenas 9 da noite pois a essa hora já deveríamos estar deitados. Não estava inquieta ou assustada, não devia estar. O barulho da chuva era ensurdecedor, os meus pais e a minha irmã tinham saído a correr com ar preocupado, mas eu fazia anos dali a 3 dias e estava acordada fora de horas: nada devia ser mais delicioso nessa altura. O dia estava quase a nascer quando, já na minha cama, despertei com o regresso da família a casa. Lembro-me que a chuva abrandara, alguém veio espreitar à porta do quarto, vozes que sussurravam, o silêncio e de repente um estrondo imenso e a casa pareceu desabar.

 

O que então aconteceu está bem presente na minha memória. Os meus pais a arrancarem-nos da cama, a saída para a rua, o cheiro a fumo, a queimado e a pó, os vizinhos em pijama, em roupa interior. gente a gritar, o ar assustado de quem nos olhava, e nós a sermos metidos no carro embrulhados em mantas, o meu pai a conduzir tão depressa quanto podia por estradas estreitas onde nos cruzávamos com carros de bombeiros com as sirenes ligadas e por todo o lado havia lama e móveis na rua e pessoas sujas e o dia que nascia indiferente a tudo. Foi em casa de um familiar, fingindo que dormia, que ouvi o relato de tudo o que se tinha passado. A chuva tinha caído feroz sobre a cidade. A empresa onde o meu pai trabalhava tinha ficado submersa e perdera-se tudo. Era aí que os meus pais e a minha irmã tinham passado a noite, tentando salvar qualquer coisa que fosse. Quando os bombeiros os obrigaram a sair souberam das inundações em Algés onde os meus avós viviam numa cave.

 

A voz da minha mãe denunciava o medo e o horror da viagem. Na 1º de Maio havia mulheres de joelhos no meio da estrada pedindo que não passassem pois o movimento dos carros inundava ainda mais as casas. A linha do eléctrico entre Alcântara e Algés estava coberta de água e lama que entrava dentro do carro cobrindo-lhes os pés e eles só pediam aos céus que não subisse mais e o motor não parasse. Depois o meu avô não queria sair de casa, preferia morrer ali, a vida tinha perdido toda a importância. Foi a custo que o arrastaram, já pela janela, que a água tinha invadido as escadas. E quando finalmente chegaram a casa, surpresos por estarem todos vivos, acontecera o que ninguém poderia antecipar: um depósito de munições do Exército, demasiado perto das zonas habitacionais, de alguma forma explodiu e destruiu tudo à sua volta.

 

Não sei quantos meses demorou o nosso regresso a casa. Vi-a apenas uma vez. Sem janelas, as nossas coisas espalhadas pelo quintal, grandes plásticos cobrindo os móveis, a minha mãe a chorar enquanto recolhia peças de roupa para dentro de sacos e procurava sapatos que pareciam ter ficado todos sem par. Só lá voltei depois das obras. Era criança, fui poupada ao desespero daqueles tempos. Se as inundações eram a consequência de uma catástrofe natural, a responsabilidade da explosão deveria ter sido assumida pelo governo. Ouvi, muitos anos depois, que uma lei publicada à pressa tinha evitado o pagamento de indemnizações. O ganha-pão da família, a nossa casa, a casa dos meus avós, perdeu-se tudo. Por pouco perdi o meu pai, que na altura quase desistiu. Tinha 50 anos, dois filhos pequenos e ficara sem nada. A solidariedade de clientes, fornecedores e colegas fê-lo mudar de ideias e deu-lhe ânimo para recomeçar do quase zero.
Hoje sabe-se que nesses dias morreram milhares de pessoas.
Nós tivemos sorte.

publicado às 09:50


4 comentários

De poetaporkedeusker a 13.10.2014 às 23:30

Nós morávamos perto, muito perto do depósito de munições... tu tens uma memória bem melhor do que a minha. Estranhamente, o que me ficou bem gravado, foi o facto de ter acordado completamente rodeada de estilhaços de vidro, sem que um único me tivesse cortado... a minha cama estava colocada mesmo em frente de uma enorme janela que ficou sem sombra de vidro...

Mas lembro-me muito bem daquela zona de Algés junto à estação ficar praticamente debaixo de água... :(

De Maria Alfacinha a 14.10.2014 às 10:17

Diz o povo que "ao menino e ao borracho, põe Deus a mão por baixo".
Também nós acordámos rodeados de estilhaços de vidro e apenas um deles fez um corte pequenino.
Engraçado - funny peculiar, not funny ahah - foi, no meio do caos, reparar que os bonequinhos que vinham nos gelados da Rajá, mantiveram-se impávidos e serenos...

De poetaporkedeusker a 14.10.2014 às 12:02

... não me lembro de grande coisa, mas também nunca me esquecerei de que o meu pai - homem inteligentíssimo e profundamente ateu - se fez repentinamente religioso e nos recomendava que rezássemos...depois fomos para a casa do Dafundo, buscar a minha avó. O pai concebeu um qualquer "plano de fuga" (não me lembro para onde) e a avó Maria fazia questão de não sair de casa sem a sua "capeline"...
Lembro-me de ter escrito um poema "épico" sobre tudo aquilo. Recorri à ironia, claro. Não sei o que foi feito dele...

Lembro-me que começava assim;

"Aos raios e trovões assinalados
Na Ocidental praia lusitana..."
....................................
"... muitos despidos e muitos não calçados
E tantos que fugiram de pijama..."

acabava gloriosamente; "Nunca tantas gripes se apanharam!"

Escrevia desunhadamente, naqueles tempos... perdi tudo. Talvez por isso eu não confie muito em papéis... alguns eram poemas satíricos. Este era-o. Muitas vezes é essa a melhor das "ferramentas" para exorcisar grandes sustos...

De aflores a 13.12.2014 às 12:37

Eu tinha a bonita idade de... 10 anos morava um pouco mais a Norte e já não me lembro se choveu ou não.

Tudo de bom.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Novembro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D