Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O pedinte

por Maria Alfacinha, em 15.01.14

 

Sentara-se na esplanada deserta, aproveitando a trégua da chuva que caíra toda a manhã, disposta a afogar em chá quente e doce, a dor de cabeça que não a largava. De dedos entrelaçados abraçando a chávena, saboreava a bebida em pequenos goles, observando quem passava. Era hora de almoço e os edifícios em volta despejavam pessoas, apressadas, sozinhas ou em grupo, mas todas obviamente com um propósito por cumprir. Na estrada o número de carros também parecia ter aumentado - ou talvez fosse a dor de cabeça que a enganava – e as buzinadelas, travagens e arranques desastrados, aconchegavam o, já por si, quase ensurdecedor ruído da cidade. Estranhou, por isso, quando ouviu um chocalhar metálico e, quase num murmúrio, um “Deus o abençoe!”. Do outro lado do passeio, um homem de idade avançada, barba espessa e desalinhada, de mão estendida, distribuía bons-dias a quem passava, na tentativa quase sempre vã de chamar a atenção. E a quem lhe deixava uma moeda, o velho sorria a bênção.

 

Os pedintes lembravam-lhe a avó, mulher poupada e avisada que reservava numa divisória da carteira algumas moedas para dar. Todas as manhãs saía para o mercado e a cada troco que recebia, separava uma ou duas moedas, que distribuía discretamente pelos pedintes que encontrava no regresso a casa. Dias havia em que o dinheiro não sobrava e ao passar por algum dos seus protegidos sussurrava: “Tenha paciência, hoje já não posso. Talvez amanhã”. Conhecia-os a todos, ou pelo menos assim parecia. Fora dela que ouvira, pela primeira vez, a história do homem que fez fortuna a pedir na rua - “Dizem que tem uns prédios para Benfica e que recebe umas boas rendas” - e talvez por causa disso cada novo pedinte com que se cruzava era rigorosamente analisado: que a esmola fosse gasta na taberna mais próxima não a chocava tanto como pensar que fingiam uma fome que não tinham, ou não precisavam de ter. Ao jantar o avô ralhava-lhe ternamente: “Lá foste tu dar dinheiro aqueles desgraçados!” Ela sacudia a mão na direcção da cozinha: “A nós não falta sopa, pois não?”e o avô, pouco dado a mostrar o que sentia, escondia no guardanapo o amor que lhe tinha.

 

A queda de uma cadeira interrompeu-lhe o pensamento. Era hora de regressar ao trabalho. Bebeu o resto do chá, pegou na mala e ajustando o casaco ao corpo atravessou o passeio. Num impulso meteu a mão no bolso, recolheu todas as moedas que encontrou e deixou-as cair na mão do pedinte. Não seria uma fortuna, tinha certeza disso, nem sequer uma quantia digna de menção, mas mentalmente pediu desculpa à avó pelo desgoverno. E enquanto descia a rua, ouviu: “Deus a abençoe!”.

Sorriu e deixou que o coração voasse por entre a chuva que recomeçara a cair.

Lá do sítio para onde vão os que amamos, a avó tinha-lhe roubado a dor de cabeça.

publicado às 14:09


2 comentários

De miilay a 15.01.2014 às 17:36

Amiga, que texto tão lindo meigo e que tão bem relata acções reais. Eu devo ser como a tal avó,pois não consigo passar por quem me estende a mão,sem dar qualquer coisa, mas o meu marido diz: Eles até vêem na tua cara que vais dar.
Mas ,desejo que nunca ninguém perto de mim ,venha a passar por essa necessidade.
Amiga Gostei do que escreveste.
Um abraço
miilay

De Maria Alfacinha a 17.01.2014 às 14:03

:-
Acho que todos conhecemos gente assim, gente que dá do pouco que tem, sem alardes, discretamente. Para mim são os verdadeiros heróis, os que não ficam indiferentes.
Um xi- do tamanho do mundo

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D