Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Receios

por Maria Alfacinha, em 05.10.15

receios

Receio que a idade me roube esta despreocupação de normas, regras e convenções, esta necessidade de janelas escancaradas e cortinas afastadas, este gozo de ver o sol a queimar os estofos, o vento a derrubar bibelots e a folhear os livros que tenho espalhados um pouco por toda a casa - e que eu corro a fechar não vão as palavras cair, ou quem sabe estejam a sofrer agarrando-se desesperadamente às folhas de papel - esta quase obrigatoriedade em manter as portas abertas - pode alguém que eu amo, ou possa vir a amar, querer entrar - e ausência de fechaduras para que só fique quem quiser ficar. Receio que ela me leve - seja lá para onde vão os nossos quereres quando envelhecemos - este prazer de me sentar perto das pessoas, mesmo que de longe, apenas para as observar, para as ouvir, imaginar, conhecer-lhes as histórias, a vida, a alma, esta vontade de lhes ler nos gestos - os sonhos que ainda não sonharam, que nem sequer percebem que sonham - interpretar-lhes os sons que não querem dizer o que dizem, que se inventam e transformam à saída dos lábios, este fascínio em lhes adivinhar os sentimentos, descobrir-lhes a cor do coração, uma réstia de amor ou uma paixão.

 

Receio perder esta alma cigana que me faz fugir para a rua, ao encontro da vida que tantas vezes deixamos passar por nós, que me permite sentir o palpitar das casas prenhas de gentes, das ruas plenas de emoções, que eu absorvo por todos os poros, registo no olhar, e que acabam por se transformar em linhas - de letras espalhadas - pelas margens dos jornais, das revistas, em guardanapos de papel, qualquer coisa onde possa escrever, às vezes num quase desespero para conseguir guardar, para sempre, aquele minuto que não se vai repetir mais. Receio que desapareça esta capacidade de me emocionar com os pequenos gestos, que os meus olhos sequem e me tornem cega à beleza das cores, que a dureza da indiferença me rompa os tímpanos e me impeça de entender a gentileza e o carinho nas palavras, a singeleza do canto dos pássaros ou o marulhar das ondas à beira mar que, ironicamente, me roubem o único bem que é realmente meu, e que faço questão de oferecer às mãos cheias - porque quanto mais dou mais tenho, como se crescesse e se multiplicasse em mim - porque nada mais tem sentido nem razão de ser, este dar que explica tudo, que é capaz de enfrentar qualquer dor ou bicho papão, que me torna imensamente rica sem nada ter.

 

Mas receio acima de tudo, a amargura, o descrer das gentes, o frio cortante que me invade os dias quando riem de mim  - que menosprezam o meu nada pedir, logo eu que acredito que é possível ser só alma e coração - duvidando do que faço, porque o faço ou questionando o que sinto. Receio um dia mergulhar nos olhos de alguém que ame e não me ver reflectida neles, despertando para uma realidade que não quis, como se tivesse vivido uma vida inútil, desperdiçado forças numa tarefa que nunca poderia cumprir, apenas e só, porque não é possível apenas dar, é essencial que também queiram receber. E é essa amargura - há dias, momentos, em que sinto que ela chega, de mansinho, aproveitando a minha fraqueza, uma qualquer distracção - a dor da descrença, que vejo em tanta gente, que eu mais receio que um dia se instale no meu peito, sem pedir licença, e o feche, para sempre.

 

Talvez - quem sabe? - os meus receios sejam infundados. Quem sabe?

 

 

publicado às 16:20


12 comentários

De Corvo a 06.10.2015 às 13:28

Poderão ou não os seus receios serem infundados mas o que retive essencialmente é que é senhora de uma escrita belíssima, extremamente bem cuidada e imprensa num descritivo de belíssima prosa lírica.


De Maria Alfacinha a 08.10.2015 às 16:43

:-) muito obrigada, caro Corvo.
Fico sem palavras

De Inconfessável a 06.10.2015 às 17:13

O Corvo tem razão, a tua escrita é belíssima.
Todos os velhos/as que conheci, foram alguns, que tinham almas abertas jamais as fecharam, mesmo na infelicidade nunca foram amargos ou agrestes e continuavam a comover-se por quase nada.
Tristes sim, algumas vezes, mas olhavam o pôr-do-sol e sentiam o privilégio .
Não tenhas medo da vida

De Maria Alfacinha a 08.10.2015 às 16:47

Não sei, não.
Conheço gente que, ao longo dos anos, vai perdendo algo (nem te sei explicar o quê), e que nunca recupera. Por vezes oiço-os dizer que "é da idade"... :-)
E, pessoalmente, não tenho medo da vida mas, aqui entre nós, à gente que se assusta com o meu não-medo.
(mil obrigadas pelas tuas palavras)

De Inconfessável a 08.10.2015 às 17:09

Isso de haver pessoas que têm medo do teu não medo, é bom sinal :)
O que acho é que com a idade, dos velhos e velhas de que estou a falar, veio um certa indiferença no sentido de terem dificuldade de se espantarem, já viram e sentiram tanto que já quase tudo lhes é conhecido. Mas ainda se maravilham com orvalho gelado da manhã

De Maria Alfacinha a 08.10.2015 às 17:28

Lá está! Perderam o espanto :-)
Sim, ainda se maravilham com o orvalho, mas perderam o espanto.
Não quero perder o espanto! Não quero :-)

De Inconfessável a 09.10.2015 às 11:12

Espero que não o percas :)

De Inconfessável a 06.10.2015 às 17:14

Ah! ainda não cheguei a alquimista, mas continuo a tentar :)

De Maria Alfacinha a 08.10.2015 às 16:48

Gostei tanto da tua avó...

De Inconfessável a 08.10.2015 às 17:00

A minha avó, eu sou suspeita, era uma pessoa superior, como há poucas e, logo a seguir aos meus filhos, foi a pessoa mais importante da minha vida.

De Maria Alfacinha a 08.10.2015 às 17:03

Gosto de avós (ponto)
E gosto particularmente de avós mágicas como a tua.
A minha ensinou-me a cortar roupas para as bonecas.
Acho que não percebia nada de alquimia... :-)

De Inconfessável a 08.10.2015 às 17:14

Deixa lá que a minha também me quis ensinar a bordar, eu é que não dava para aquilo LOL

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D