Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Santo António de Lisboa

por Maria Alfacinha, em 12.06.15

4696175740_16c39e1705_b.jpg

Filha da Graça e da Ajuda, nascida na Mouraria, criada em Alcântara, namorada do Tejo e eternamente apaixonada por esta Cidade Branca, para ser ainda mais Alfacinha só me faltava ter sido varina ou, se outro sexo me tivesse sido destinado, tripulante de cacilheiro. Tenho Lisboa por irmã e companheira, mulher doce e destemida no aroma e na paixão, bonita e namoradeira, ciumenta das gaivotas e de quem aqui nasceu, fiel aos seus amores e amante inconstante que acolhe no peito todos os que morrem de paixão.


Esta noite é de Santo António, Santo António de Lisboa, e se Santo António é de Lisboa, também é meu por direito, confidente e amigo, cúmplice dos sonhos que guardo na cidade onde cresci. E é noite de Lisboa, a Lisboa Antiga, sem Avenidas Novas, Docas ou Parque das Nações. A Lisboa dos Fados sentidos, das ruas estreitas e imperfeitas, das tasquinhas que resistem, das escadinhas que nos consomem o fôlego, dos miradouros inventados só para (a) namorar. Lisboa-menina traquina, que acorda luminosa, sorrindo orgulhosa daquilo que é, Lisboa-mulher que se exibe vaidosa quando a Lua espreita, embriagando-nos os sentidos em vielas perfeitas para juras de amor, envolta no veludo escuro das noites que transbordam desejo e que nos beija os olhos antes de adormecer.


Esta noite é de Lisboa, a Lisboa dos manjericos, da sardinha assada e dos arraiais, das fogueiras e das canções que nunca esquecemos. A Lisboa das marchas populares e dos cravos de papel, das colinas que se transformam em degraus de um trono construído com carinho para um tal de Fernando que aqui nasceu Homem e se fez António, protector das crianças e das moças casadoiras, Santo da nossa devoção mesmo para quem, como eu, nunca encontrou razões para acreditar.

É noite de Santo António e Santo António é de Lisboa, é meu, é de todos os Alfacinhas.
Mas venham, venham todos, que nós não nos importamos de o partilhar.

publicado às 10:43


13 comentários

De golimix a 12.06.2015 às 12:29

Nunca fui ao St. António de Lisboa. Pode ser que um dia....

Mas já me fartei do S. João do Porto

De Maria Alfacinha a 12.06.2015 às 14:26

Se bem me lembro (já foi há muitoooo tempo), o S.João é um 'cadito diferente. Mas Santo é Santo, e qualquer desculpa é boa :-)

De Corvo a 12.06.2015 às 21:45

Bonito texto descrito numa belíssima prosa lírica.
Isso é que é paixão poética pela sua cidade.
Acho que devia ser promovida a embaixatriz de Lisboa. Isso é que era.
Uma excelente noite de festa e que se divirta em Grande!

De Maria Alfacinha a 17.06.2015 às 16:05

:-) Embaixatriz? Belíssima ideia!
Esta é a Lisboa que eu amo, a antiga, a bairrista, dos pregões que já pouco se ouvem. É pequenina, quase uma aldeia...
Obrigada

De melguinha2 a 13.06.2015 às 14:52

Boas festas querida,excelente fim-de-semana!! Até breve!!

De Maria Alfacinha a 17.06.2015 às 16:06


à falta de manjericos...

De miilay a 14.06.2015 às 17:52

LINDO! Descreves com muito carinho e ênfase , o amor que tens pela tua cidade.
Escreves muito bem.
Gostei mesmo.

miilay

De Maria Alfacinha a 17.06.2015 às 16:06

Obrigada, minha querida.
A intenção era mesmo essa :-)

De fernanda a 16.06.2015 às 21:37

Minha querida Alfacinha,és e sempre serás a minha mais maravilhosa leitura de cabeceira..obrigado!

De Maria Alfacinha a 17.06.2015 às 16:07

Ó meu anjo bom :-)
Só espero não te roubar o sono... ou o descanso.
Beijo gordalhufo na tua bochecha

De poetaporkedeusker a 17.06.2015 às 11:31

"Rendo-me" a toda esta tua transbordante paixão!

Eu, que sempre me senti irmã do Tejo - era demasiado pequenina para me sentir namorada... - ali, mais adiante, onde ele abraça o mar, rendo-me já, aqui e agora, à tua paixão de Alfacinha de gema.

Beijo grande!

De Maria Alfacinha a 17.06.2015 às 16:10

As vezes fico a pensar no que seria Lisboa sem o Tejo.
Há dias em que, quando o atravesso, até me falta o ar.
A tonta do costume, já sabes :-)
Beijo cheio de abraços, para ti!

De poetaporkedeusker a 17.06.2015 às 16:18

... nem a consigo imaginar sem Tejo! E olha que bem tenho saudades de uma travessiazinha de cacilheiro...

Bjo!!!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D