Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sentires

por Maria Alfacinha, em 29.06.15

13309058_tCac5.jpeg

Morrem-se-me as vontades na preguiça do calor, esticada na rede de pano grosseiro, à sombra fresca do telheiro, uma perna dobrada, em pose despudorada, a outra pendendo na beira do tecido, o pé forçando a parede, embalando a tarde, iludindo-me o querer. Um livro aberto numa página que já não recordo, abandonado em cima do peito, uma mão repousando na capa, a outra desalinhando o cabelo. Não me obriguem a falar, a menos que vos apeteça conversas sem tino, que os sentidos tomaram conta da lógica e do senso e desarrumaram-me o pensamento. Fecho os olhos para entender estes sentires, e descubro que é mais fácil escrever assim. Nem o bater compassado das marretas, que destroem mais uma casa ao fundo da rua, nem o ladrar dos cães que se esganiçam no portão, em manifestação inequívoca da soberania do seu território, conseguem incomodar-me. Pelo contrário, todo o movimento sonoro que acompanha o ritmo deste quase inconsciente baloiçar, aguça-me ainda mais os sentidos, desnudando as vidas que me rodeiam, tornando-me numa testemunha indiscreta de gestos que não são meus, que se pretendem privados e que, mor desta minha preguiça volúvel, acabam por ser expostos em praça pública, sem qualquer remorso.

 

Ah, como eu gosto de preguiçar! Esquecer horas e tarefas, deixar que a imaginação me leve para onde lhe apetecer, entregar-me a esta modorra que me recorda a sensualidade dos trópicos, onde todas as paixões são possíveis e violentas, onde a única urgência é a ânsia do toque, onde somos só pele e a transpiração é doce, espessa e cheira a imprudência e loucura. Ah, como eu gosto dos dias de calor que me roubam a respiração, fazendo disparar o meu peito, tornando palpável o sangue que corre nas minhas veias sem rumo, endoidado, desregrado, despertando-me a consciência de cada recanto do meu corpo, aquele deixar abraçar-me pelo vento quente, quando sopra manso e me larga zonza em bebedeiras de pele. Nada como o chinelar do tempo sem pressa, a espera pelo fim da tarde que me provoca o desejo, o sol que fica em mim mesmo depois de se deitar, mesmo depois de o tentar lavar, as marcas dos seus raios que se confundem com o aroma do banho, sussurrando galanteios mudos quando escolho um vestido decotado.

 

Ah, como eu anseio o Verão, que transforma o cenário onde a minha vida se desenrola - logo a mim, que me alimento de Sol e mato todas as minhas sedes em céus de estrelas, feitos écrans, onde projecto sonhos em sessões contínuas - atrasando sempre o repouso, num receio imenso de perder uma única sensação, um único minuto de uma vida que se esgota na emoção de um nascer do sol, chamando-me para perto do mar que nunca me cansa, que nunca me assusta, que me deixa sempre a pensar que foi aquele o útero onde fui gerada, o colo que me consolou o choro, a canção que me embalou. E nessas noites curtas, que se tornam longas porque prenhas de sentidos e confidências, prendo um sorriso no peito, e acabo por adormecer exausta, num sono profundo, repleto de palavras e fantasias, em que só assim me atrevo a acreditar.

Tags:

publicado às 10:30



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D