Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Só mais um abraço

por Maria Alfacinha, em 17.10.15

só mais um abraço

 

Aponta em calendário, risca as paredes da casa, coloca na coleira das cadelas, faz até tatuagem nos antebraços e no peito dos dois pés, mas não faltes dia 17 de Outubro pelas 18h na Lx Factory em Alcântara, na Ler Devagar que eu quero-te na mesa a meu lado, a dizer palavras sobre o que escrevo e, claro, dar-te um abraço antigo muito apertado.

 

Foi assim que fui intimada, perdão, convidada a comparecer aqui.
Escusado será dizer que tatuei o peito dos pés… a marcador… e que lhe enviei uma foto, em jeito de aceitação, para a deixar mais descansada. Mas é desta forma que a Maria de Fátima nos escreve, a todos nós que temos o privilégio de receber mensagens, recados, convites ou simples desabafos. Por vezes fico a pensar como serão, lá em casa, as listas de compras ou as recomendações para a lavandaria…

 

Conheci a Maria de Fátima na internet. Abençoada! Não fosse este mundo virtual - e os horizontes que nos proporcionam - e possivelmente nunca nos teríamos encontrado. Na altura, a blogosfera florescia, e foi aí que nos cruzámos, na descoberta deste amor comum pela palavra escrita, pela forma como nos permite transmitir o que sentimos e, se os deuses nos abençoarem, tocar os outros. Tenho de falar nisto, não só porque prova que a tal da internet é - ou pode ser - muito mais que uma feira de vaidades, mas também porque a Maria de Fátima insiste, sempre insistiu - e ela sabe ser insistente – em recordar como tudo começou, e como as nossas vidas poderiam ter sido diferentes.

 

Só mais um abraço, o livro que hoje aqui se apresenta, relata alguns anos da vida de uma família que, por força de um jogo de cartas que terminou mal, se vê obrigada a partir para um outro continente, um mundo diferente de tudo o que tinham conhecido até então. A narrativa é feita através dos olhos de Lurdes - embora não seja contada na primeira pessoa - o que nos permite uma observação simples, mas atenta aos pormenores, como quase só as crianças conseguem fazer. Á volta dela, e do que vai entendendo à medida que cresce, enredam-se outras vidas que a tocam, principalmente a de Maria Inácia, a mãe, que apesar da loucura em que acaba por enrolar os seus dias, é uma âncora resistente às tormentas e, estranhamente, mantem Lurdes lúcida e objectiva na descrição do que a rodeia. É um livro que quase necessita de ser lido em voz alta, pausadamente, como quando queremos contar uma história de encantar.

 

As histórias da Maria de Fátima nunca são cor-de-rosa, apenas e só porque a vida também não o é. As cores da sua escrita são quase frias de tão autênticas, mas tornam-se quentes na exposição dos sentidos. E no meio de toda a realidade que ela conta com mestria, surgem apontamentos de uma ternura imensa que nos amassa a boca do estômago quando os lemos. Só mais um abraço, não é diferente. Da primeira vez que o li senti, como sempre sinto, dificuldade em interromper a leitura. Terá, porventura, a ver com a cadência da narrativa, que é intensa, porque não é com certeza pelo ritmo das palavras que são sempre compassadas, demorando-se preguiçosas, como se soltassem suspiros ao longo das frases. E a forma muito própria como ela escreve, como brinca com as palavras, – chamo Fátimês a esta língua que só ela usa - obriga a uma leitura lenta e cuidada, para nos deixarmos embriagar com o que nos faz sentir.

 

Termino com as mesmas palavras que utilizei, quando ela me perguntou o que tinha achado deste novo livro: Li-o de um fôlego, que ansiava saber o fim da história, como se eu não soubesse já que as tuas histórias nunca têm fim. Li-o muito rapidamente, mas eu sou uma das sortudas que conhece o Fátimês. Depois li-o outra vez, todos os dias um bocadinho, a caminho do trabalho. E no meio do Tejo, fizeste-me sentir em Africa.

Obrigada 

publicado às 18:00


4 comentários

De Corvo a 17.10.2015 às 21:54

Um livro que gostaria de ler.

De Maria Alfacinha a 27.10.2015 às 17:27

Eu acho que vale a pena, mas sou suspeita :-)

De Paulo Vasco Pereira a 18.10.2015 às 04:48

Fiquei curioso.

De Maria Alfacinha a 27.10.2015 às 17:28

Ou seja... atingi o meu objectivo
Beijo grande

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D