Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um caso de amor

por Maria Alfacinha, em 29.11.15

cidade-de-lisboa.jpg

Nasci numa cidade casada com o sol, numa rua cantada num Fado antigo e criei-me num bairro com cheiro a suor, brincando em jardins sob telhados quebrados, com avós emprestados de olhos brilhantes, filósofos de fadas com colos de amor. Ainda menina, a caminho de já não ser, encorpei nas noites de risos e prosa, aprendendo em pressas a vida que não queria e descobrindo sonhos, à beira de um rio de luzes e cor. E hoje mulher, por direito e idade, é pela madrugada que a namoro e escrevo quem sou, em folhas riscadas, como pautas de música, cobertas de rimas que aprendi de cor.

 

Nasci em Lisboa num dia de sol, num fim de Novembro que cheirava a castanhas. Cidade-Mãe das mulheres de quem vim, de janelas bordadas nas colinas cansadas de tanto labor. Lisboa-irmã, também minha Mãe, que me acarinhou vontades, limpou-me as lágrimas e embalou os meus amores. Lisboa amante, e sempre mulher, onde me deitava, tardava a noite, em leitos de linho branco, com cheiro a sabão de cravos e almofadas de manjericos. Cidade bonita, senhora e menina, de prédios galantes erguidos na ânsia larga das avenidas. Lisboa, serena e doce nas tardes de Verão, dos livros devorados em bancos de jardim, o tempo esquecido nas margens dos lagos, lar de cisnes e patos em alegre grasnar. Lisboa varina atrevida, fadista e brejeira, que acolhia nos braços e consolava com beijos quem morria de amor.

 

Foi nessa Lisboa que um dia nasci, num princípio de Inverno que enganou S. Pedro, brindando a cidade com a carícia do sol. Hoje moderna, e cheia de pressa, de ruas repletas de gente que acode à urgência da vida que lhes escorre entre os dedos. Lisboa de varandas vazias das sardinheiras criadas em amor, agora desenhadas, em elegante desapego, por quem não lhe conhece a alma. Cidade maltratada, de ventre rasgado fedendo a lixo e obras paradas, roubando-lhe a beleza num fado de dor. Lisboa vazia dos filhos que já não tem, presa em vaidades que não as suas, pejada de estranhos que a atropelam e aviltam sem cautela ou dó. Mas Lisboa sabe - contaram-lhe as gaivotas que a visitam pela manhã - que mesmo perdida, suja e esquecida, qual mulher da vida, desprezada e dorida, será eternamente menina, e linda e pura, aos olhos de quem nela nasceu e (para) sempre a amou.

Tags:

publicado às 07:30


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Abril 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D