Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Robertos

por Maria Alfacinha, em 12.04.16

fantoches.jpg

 

Desde que me lembro que faço parte dos alfacinhas que acha que a Costa de Caparica é a praia de Lisboa. A Linha do Estoril era usada para o passeio dos tristes dominical, mas a então vila era sinónimo de férias e muito espaço para correr. Aliás, a Costa de Caparica era tão minha que foi lá que dei os primeiros passos, corria o Verão de 61, no já desaparecido café Costa Nova, pela mão da D. Irene, que me permitia todas as liberdades, desde o entra-e-sai constante na cozinha para falar com o papagaio, até aos jogos de escondidas dentro das vitrinas vazias onde, já mais crescida, aproveitava para brincar às lojas e aos clientes. Nos primeiros anos, instalávamo-nos numa casa bem no meio do Bairro dos Pescadores, ao lado do Daniel das Bolas Novas, o que equivale a dizer que a minha memória desses tempos é de acordar com o cheiro a bolos quentes e açúcar e adormecer profundamente depois de um dia de animada brincadeira, rematado com o passeio nocturno na Rua dos Pescadores, entre a praia e o largo do Mercado. Quando entrei para a escola, as férias grandes – que na altura eram realmente grandes – eram passadas na FNAT, hoje INATEL, onde, como em qualquer boa colónia de férias tínhamos direito a altifalantes que nos brindavam com música e notícias da Emissora Nacional, avisavam que era a hora de nos dirigirmos ao refeitório, de fazermos a sesta ou de nos deitarmos, anunciavam crianças ou objectos perdidos e chamavam os veraneantes ao telefone, algo que provocava sempre alguma comoção.

 

A praia era obrigatória logo de manhã, sob o olhar vigilante do famoso Tarzan - que mais do que uma vez espremeu os meus pobres pés tão apreciados pelos peixe-aranha - e onde, para nos fortalecermos para o Inverno, era quase obrigatório o banho no mar, o que, para quem conhece a temperatura da água daquela zona, nem sempre era uma aventura agradável. Mas a praia tinha outros atractivos, além das Bolas Novas: um espectáculo de fantoches com cabeça de madeira, manipuladas atrás de um biombo pintado com o nome da companhia e cenas das histórias que contavam, ou simples saias de chita, e que se chamavam Robertos. Numa única manhã, eu era capaz de ouvir a mesma história tantas vezes quantas as que conseguisse fugir ao controlo adulto, para os seguir na sua digressão ao longo das diversas praias. E mesmo repetidas vezes sem conta, as histórias dos Robertos não perdiam o seu encanto. As personagens eram variadas, consoante as histórias desse dia, mas normalmente havia o rapaz – que podia ser um forcado - a rapariga – que podia ser uma princesa - a figura paternal - que podia ser um caçador – o toureiro e, é claro, o touro, não esquecendo o polícia, o fantasma e até a morte. E traziam sempre consigo um pau, uma frigideira ou uma vassoura com que, a dada altura, haviam de se agredir. Falavam com uma voz estranha, abusavam dos erres, conversavam com o público - agradecendo até os avisos que lhes gritávamos - e polvilhavam os diálogos com grandes e sonoras cabeçadas que nos arrancavam gargalhadas na directa proporção do barulho que produziam. No final, um dos artistas passeava por entre quem assistia, de chapéu na mão, para recolher o pagamento, e eu fazia render as moedas de tostão que me tinham dado, pelos espectáculos todos que tencionasse assistir sempre na esperança de apertar a mão a algum dos fantoches.

 

Graças aos Robertos a praia era um sítio (ainda mais) animado.

E (também) graças a eles, todos os Verões eu tinha o chapéu mais feio e berrante de toda o areal da Costa de Caparica. Era a forma mais fácil de me identificarem cada vez que eu desaparecia...

 

in "Histórias de menina"

publicado às 16:13


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D