Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O pior cão do mundo

por Maria Alfacinha, em 02.10.18

30516173_1651883431593139_1147433116223143936_n.jp

Não me chegam os dedos das mãos (e dos pés) para contar quantos cães já enriqueceram a minha vida. Todos diferentes e todos iguais no amor incondicional que me ofereceram. Cada um com o seu feitio, em pouco tempo acabavam por se adoptar uns aos outros e aprender rotinas e regras sem grande dificuldade. Todos menos um: Dom Simão.

 

Dom Simão era o cão mais asneirento que possam imaginar. Roubava comida, vasculhava o lixo, destruía almofadas e mantas, fuçava-me a mala até descobrir o pacote de açúcar que ali estava esquecido e engolia-o com papel e tudo. Quantas e quantas vezes lhe tirei as coisas mais incríveis da boca, e nem sei como é que nunca se feriu com os disparates que fazia. Dom Simão só se portava bem quando dormia e felizmente dormia muito.

 

Cabeçudo como mais nenhum que alguma vez tenha conhecido, quando Dom Simão metia alguma coisa na cabeça não havia nada a fazer. Teimoso que nem uma mula, mesmo quando não conseguia exactamente o que queria, acabava por vencer toda a gente pelo cansaço. Nem um santo aguentava horas de olhares e gemidos dilacerantes para ganhar uma casquinha de maçã…

 

Desajeitado até a andar, parecia ter pernas a mais e não saber o que lhes fazer. Quando se dignava a sair da cama, trotava quintal acima, quintal abaixo, nunca em linha recta, de cauda bem levantada e a abanar ao ritmo dos passos. Se por acaso encontrasse qualquer obstáculo no caminho ou se desviava – se fosse a tempo – ou simplesmente passava por cima. Fosse qual fosse a opção escolhida, nem sempre acabava bem, principalmente quando o obstáculo era… o Sô Pepo.

 

Dom Simão sempre foi muito gabado… nas fotografias. Ao vivo não tinha muita piada, se é que tinha alguma. Ignorava toda a gente e quase todos os outros patudos. Só duas coisas lhe prendiam a atenção: comida e lixo. Ah e caixas, ou sofás, ou almofadas, ou camas ou qualquer canto fofo onde se pudesse aconchegar. Dom Simão não brincava, não fazia gracinhas, não respondia quando o chamavam, aproximava-se de quem lhe queria fazer festas apenas o tempo suficiente para lhes cheirar as mãos e verificar se tinham alguma coisa que se comesse.

 

Talvez por isso o tenham abandonado por duas vezes. Ou talvez fosse pela saúde que nunca teve. Dom Simão nunca se queixava. Suportava o mal-estar e as dores sem um gemido. Enroscava-se na cama e esperava que passasse. Frágil como um passarinho, não têm conta as vezes que pensámos que não ia sobreviver e ele surpreendia-nos sempre. Em horas mais difíceis pedia-lhe que nos desse um sinal, ou que se deixasse ir mas Dom Simão, o cabeçudo, recusava-se a desistir e a nós restava-nos apenas fazer tudo o que pudéssemos para honrar tal força de viver.

 

Teimoso, badalhoco, desobediente, fedorento, asneirento, desajeitado, Dom Simão era o cão mais manso que alguma vez conheci, que sorria quando lhe aconchegávamos a manta ou que acordava sobressaltado só para ver onde estávamos e que fazia os maiores disparates com o ar mais inocente sem mostrar qualquer arrependimento, obrigando-nos (quase) sempre a sorrir. Dom Simão, o doce, ao lado de quem me sentei toda a tarde, que ouviu tudo o que lhe disse, que carreguei ao colo e que deixei partir nos meus braços, ficando em mim um vazio imenso difícil de explicar.

 

Sim, era apenas um cão.
Dom Simão Patareco, o pior cão do mundo.

30714058_1659590334155782_4765235785068707840_n.jp

publicado às 18:04


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D