Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Em modo de espera(nça)

por Maria Alfacinha, em 16.11.15

em modo de espera

 

Não me perguntes porquê, ou como.
Normalmente sei quando, muitas vezes nesse preciso momento, mais vezes ainda muito depois. É assim, ponto. Pouco racional – nada racional - eu sei, mas que queres?
Nem sequer consigo definir o que é, dar-lhe um nome, explicar, definir, apresentar razões.

Se sinto? Talvez. Talvez seja um sentir.
É uma coisa de pele, um arrepiar, um desconforto. Um buraco, um vazio, como quando escrevo e não encontro a palavra correcta e deixo o espaço em branco – ou preenchido por XXXX – sabendo que, mais tarde, a encontrarei. Porque encontro sempre. Sei que a vou encontrar, muitas vezes quase no imediato, mais vezes ainda muito depois.

Até lá, não quero pensar nisso, mas não penso noutra coisa. É uma comichão, uma moinha, um latejar que não chega a ser dor, um zumbido quase imperceptível – que mais ninguém ouve, mais ninguém sente – que não interrompe o dia, não me impede os gestos, apenas existe, está, presença discreta em tudo o que faço, suficientemente invisível para passar despercebida, demasiado obstinada para ser ignorada.

Não há nada a fazer – nada que eu possa fazer - excepto cumprir os passos que me propus para hoje, as tarefas que não podem ser ignoradas e aguardar que se pronuncie, que se revele em todo o seu esplendor devolvendo-me o que me pertence e que me faz quase tanta falta como o ar que respiro.

E amar intensamente - que não há outra forma de viver - mesmo que em modo de espera.

publicado às 12:32


2 comentários

De golimix a 25.11.2015 às 12:12

Diria, minha querida, que "amar intensamente" é viver!
Mais um belo texto!

Agora uma pergunta, porquê o modo espera?

De Maria Alfacinha a 02.12.2015 às 15:52

Porque nem tudo na vida depende de nós.
Nesses casos temos mesmo que... esperar :-)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930




 






O Meu Alpendre


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D